TAG: Década de 30

? Década de 30

24 jul 2014


A década de 30 traz uma peça criada e utilizada diariamente pelas mulheres até hoje, as “beauty cases” (estojos de beleza). Quer conhecer mais da década de 30, então prepare-se para embarcar em uma viagem para a década de 30.
Como a sociedade sofre uma grande transformação com  a queda da Bolsa de Valores de Nova York que provocou uma crise econômica mundial. Os milionários ficaram pobres de um dia para o outro, bancos e empresas faliram e milhões de pessoas perderam seus empregos.


Ainda na década de 30 as formas do corpo da mulher começam a ser valorizadas, as saias ficam longas e os cabelos começaram a crescer. Os vestidos tem modelo justo e reto, além de terem um acessório frequente uma pequena capa ou um bolero. Devido a crise são descobertos materiais mais baratos como o algodão, a baquelita (um plástico maleável), que dava um efeito cintilante etc. Nos vestidos de noite são vistos corte enviesado e o decote nas costas. Esta é a década em que as mulheres irão recorrer ao sutiã, um tipo de cinta ou um espartilho.

A mulher dessa época devia ser magra, bronzeada e esportiva, o modelo de beleza da atriz Greta Garbo. Seu visual sofisticado, com sobrancelhas e pálpebras marcadas com lápis e pó de arroz bem claro foi copiado pelas mulheres.

O cinema foi o grande referencial de disseminação dos novos costumes. Hollywood, através de suas estrelas, como Katharine Hepburn e Marlene Dietrich, e de estilistas, como Edith Head e Gilbert Adrian, influenciaram milhares de pessoas.

No começo as bolsas mantiveram um tamanho pequeno, porém da década foram ficando largas e mais sofisticadas, fabricadas com diversos tipos de couro como o de cobra, crocodilo, jacaré, bezerro, leão marinho, etc. Para aumentar o espaço nas bolsas para os kits de maquiagem em 1935 os espaços internos das bolsas passaram a ser mais funcionais com compartimentos para maquilagem que vinham com espelho, porta batom e compartimento para dinheiro.

Ainda em 1935 o sapateiro italiano Salvatore Ferragamo, lança sua marca. Devido a crise na Europa, ele começa a usar materiais baratos, como o cânhamo, a palha e os primeiros materiais sintéticos. Sua principal invenção foi à palmilha compensada. Além Ferragamo, Chanel, Madeleine Vionnet e Lanvin continuam a fazer sucesso. Além disso, a estilista italiana Elsa Schiaparelli inicia criações, inspiradas no surrealismo. Outro destaque é Mainbocher, o primeiro estilista americano a fazer sucesso em Paris.

No final dos anos 30, com a aproximação da Segunda Guerra Mundial, que estourou na Europa em 1939, as roupas já apresentavam uma linha militar, assim como algumas peças já se preparavam para dias difíceis, como as saias, que já vinham com uma abertura lateral, para facilitar o uso de bicicletas.

Fonte:

 Fotos: Google Imagens