TAG: sapatilha

MV Saldanha

15 nov 2011


O post de hoje é para as sapatólatras de plantão. Oi, sapa o quê? Sapatólatras são as pessoas que são viciadas em sapatos. Por isso, hoje vim aqui falar dessa marca nova que descobri no facebook. Primeiro deixar claro que a loja não me dá presente, não é minha sócia e nem parceria. Mas, não por isso vou desmerecer a nova coleção que é linda demais. Eu selecionei as peças que amei de paixão:
Quem quiser se jogar nos sapatos entrem na fan page:
Sandália de festa linda demais:

Peep Toe com estampa de cobra, tendência e um mimo o laço na parte de trás.

Sandália com cor laranja, linda demais!

E as sapatilhas são umas fofurinhas.

Enfim, para quem curtiu é só se jogar na fan page, escolher e comprar:
SAPATILHAS, SALTOS, RASTEIRAS.
Numeração de 33 ao 39.
Toda mercadoria com garantia, faça sua encomenda.
Preço sobre consulta. LEVAMOS ATÉ VOCÊ, SÓ AGENDAR.
Deixe seu recado que passamos os valores.
Contato: (61) 8411-0962 Mariana e (61) 8566-6571 Vinicius
E vocês também são sapatólatras? Qual o modelo não pode faltar na sua sapateira?

Modelos de sapatos

25 fev 2009

 

A matéria de hoje traz o amor das mulheres, o tema é sapatos. O sapato é um acessório indispensável para um bom visual, uma roupa adequada com um sapato errado ou estragado é erro certo. Se pensar em conforto aconselho aderir a sapatilha que ganha em vários quesitos dos outros sapatos, pois são: pequenas, leves e confortáveis. Saber se o sapato é confortável é visível pelo modo que a pessoa caminha, pois pé inchado, bolhas e calo não são malefícios necessários. O mais aconselhável é sair para comprar o sapato depois de um dia de trabalho, o pé já vai estar no ponto para sentir o “engana pé”. O “engana pé” é aquele sapato que você experimenta na loja e fica maravilhoso e depois no dia seguinte com o pé relaxado com a primeira pisada você já sente algum incômodo. Sapato tem que ser comprado com calma ande bastante na loja com o calçado e não se engane achando que aquele incômodo que surge no momento vai passar. O vendedor sempre vai te dizer que o sapato vai melhorar que vai afrouxar, é o trabalho dele. Desça do salto dependendo da situação um scarpin no clube não combina. É essencial ter bom senso nas combinações.

Modelos:

1)Sapatilha – modelo fechado sem salto ou com pequeno salto. Foto: Janaína Valadares

2) Peep Toe – Esses são sapatos fechados, mas são abertos na frente, geralmente aparecem os dedos.

3)Sandália: sola fixada aos pés através de tiras, tornozeleiras. Deixa a maior parte do pé exposta.

4) Chanel: abertura na parte traseira com uma tira circundando o pé.

5)Scarpin: modelo fechado, a boca se estende até um pouco acima dos dedos do pé.

6)Tamanco: modelo com solado de madeira ou materiais sintéticos é aberto na parte de trás.

7)Bota: modelo com cano alto, baixo ou médio com vários materiais para produção.

8)Ankle boots: são botas de cano curto que ficam na altura do tornozelo.

9)Summer boots: são parecidas com as ankle boots, mas são mais leves e arejadas. Uma característica deste modelo é o solado meia-pata.

Senta que lá vem história…

Estudos mostram que os sapatos foram inventados na Mesopotâmia (hoje Iraque), há mais de 3.200 anos. Eram feitos de couro macio para facilitar a travessia das trilhas montanhosas. No Egito, entre 3.100 a.C. e 32 a.C. somente os nobres usavam sandálias de couro e os faraós usavam calçados adornados com ouro. No Império Romano os calçados denunciavam a classe ou grupo social do indivíduo. Na Idade Média, a maioria dos sapatos tinha a forma das atuais sapatilhas. E o padrão da numeração veio como? Foi criação do rei inglês Eduardo (1272-1307). Durante a Revolução Industrial, no início no século XVIII, na Inglaterra, as máquinas passaram a produzir calçados em larga escala. Já no século XX foram introduzidos novos materiais e técnicas e o processo passou a ser setorizado entre: design, modelagem, confecção e distribuição. A necessidade dos atletas originou um novo segmento na indústria, que possibilitou a criação de tênis tecnológicos. E a partir dos anos 80 ocorreu o aumento do número de pessoas que passaram a consumir calçados de grife, tanto os mais simples quanto aqueles assinados por grandes estilistas e verdadeiros artigos de luxo.